domingo, 8 de janeiro de 2017

Prosa no Divã por Leandro Salgentelli: Representatividade da Estupidez

REPRODUÇÃO/INTERNET



Era a semana que antecedia o ano novo. Como frequentemente nesta época viajo para casa de familiares, já que moro distante de todos, não poderia deixar de comentar o que ocorreu no dia 25 de dezembro. Por volta da meia-noite estávamos todos (eu, minhas primas, tias e tios) na calçada da casa de minha madrinha. Ela mora numa rua que a menos de 5 metros dá acesso a uma avenida movimentada, e ali da calçada é possível olhar boa parte da avenida que liga a outros bairros. Nisso, uma mulher passou pela avenida com seu filho de aproximadamente 10 anos, amedrontada (era nítido em seu rosto o desespero), atrás dela vinha um homem, que aparentemente parecia estar drogado. Foi coisa de segundos, ele a alcançou e começou a agredi-la, puxando seu cabelo, dando socos em suas costas, chutes e a agredindo com xingamentos. Num dado momento o garoto disse: “Para, pai, não machuca minha mãe”. Bastou o menino dizer isso e o agrediu também com socos e pontapés. 

Eu estava desesperado, não sabia se dizia algo, não sabia o que fazer, e se ele estivesse armado? Sabíamos que não fazer nada poderia acontecer uma fatalidade. Enquanto o truculento (não me vem uma palavra mais adequada para chamá-lo) agredia aquela mulher e seu filho, tentávamos ligar pra polícia, mas ninguém atendia, não aparecia viatura por ali, pedi então para o namorado de uma prima os levassem para um lugar seguro, longe daquele brutamonte. 

Enquanto saíam com o carro, eu e uma vizinha seguíamos a pé, mas mesmo a distância era possível ver ela se encolhendo para receber o soco que vinha por trás. Enquanto apanhava no trajeto todo, não a ouvir dizer nada. Seu silêncio me doía inteiro. Era como se estivesse pedindo socorro, sem poder se mexer, sem poder olhar para os lados, sem poder dizer algo. Seu silêncio gritava tanto de modo que senti seu grito durante a noite ao tentar dormir. E no dia seguinte ao passar pelo mesmo lugar. 

REPRESENTAÇÃO/INTERNET


O namorado da minha prima os alcançou um pouco mais de 1 km, segundo ele, o garoto estava desesperado, pediu para que levassem dali antes que o pai fizesse algo pior. Era apenas uma criança, e sabia o quão sem limites era seu pai. 

Era Natal. Para alguns essa data não representa nada, mesmo sendo um dia como qualquer outro, aquela criança não merecia estar ali, tampouco sua mãe. E não importava o grau de sua índole, o que tivesse feito (se tivesse feito!), ninguém merece ser nocauteado daquela maneira. 

O que me entristece é que isso é mais comum do que se parece. Amanhã poderão estar de mãos dadas novamente. Até que a agressão aconteça pela segunda, terceira e quarta vez. Enquanto há uma criança no centro com uma cara de interrogação digerindo tudo. Até o dia em que o ciclo se repetir.

28 comentários:

  1. Que situação mais triste em pleno Natal, já vi isso acontecer, já passei por isso, pq já fui vítima de violência doméstica, e lendo seu post vivenciei tudo novamente, vc escreve super bem, estou seguindo seu blog, curti tbm sua pagina!
    Infelizmente essas historias se repetem pq o próprio agressor vivenciou isso durante a infância geralmente, é um círculo que é dificil parar, primeiro a pessoa tem que estar ciente que é errado, que quer parar, para dai tomar uma atitude fazendo terapia por exemplo.
    Bom início de 2017 pra vc!!

    http://dailyofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fernanda, depois do seu relato, vou dizer o quê? Peço desculpas se o texto te remeteu a uma fase não agradável. E espero, sinceramente, que esteja bem após esse trauma, porque é para quem está assistindo, nem consigo imaginar como é para quem vivenciou. Desejo que este ano seja tão lindo pra você, que os ventos te abracem e que você se sinta acolhida pelas palavras, pelos livros, pela vida. Você merece. Bom ano pra você e obrigado por curtir a página e o blog. Farei o mesmo. Adorei você. Beijos. <3

      Excluir
  2. Parabéns ao autor. Que texto!
    Realmente, é algo mais comum do que parece. E pior ainda é escultar gente que acha isso normal. Felizmente nunca passei por isso e nem presencie, mas ainda assim senti a dor pelas pessoas que passaram.
    Beijoos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Catrine, obrigado pelo carinho, viu? Pois é, ainda vivemos numa sociedade bem machista. Eu também senti, o que nos resta é lutar contra essa coisa chamada ignorância e estupidez. Um beijo enorme pra você. <3

      Excluir
  3. Olá!
    Caramba cara, que texto forte D: Confesso que fiquei chocado em certo momentos.
    Particularmente nunca presenciei uma situação parecida em casa ou fora dela, mas já ouvi relatos de conhecidos. E é algo tenebroso, sem sombra de dúvidas. A sociedade evolui tanto em quesito tecnologico, mas mentalidade continua sendo machista e preconceituosa.

    Abraços
    David
    http://territoriogeeknerd.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. David, li e reli o que escreveu, e você está coberto de razão: a sociedade evolui tanto em quesito tecnológico, mas mentalidade continua sendo machista e preconceituosa. Obrigado pelo comentário e volte sempre. Ah, estou seguindo seu blog. Abraço.

      Excluir
  4. Olá,
    Que situação hein!
    Vemos sempre na TV notícias como esta e sempre pensamos que é algo distante. Ledo engano e aí descobrimos que está mais perto do que imaginamos.
    Achei de extrema importância o tema aqui abordado e a forma como o ciclo pode vir a se repetir através da criança que tenta entender uma situação complexa.

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Michele, obrigado pelo comentário. Realmente é uma situação tão corriqueira, temos que lutar por essas mulheres que tem medo do próprio marido, lutar para que elas consigam se livrar disso, antes que o pior aconteça. E cobrar mais da justiça, que é mais falha ainda. Um abraço, viu? <3

      Excluir
  5. Olá
    É muito triste, mas é uma verdade, e potencializada pela bebida ou drogas, mas tem sim como sair do ciclo, conheço vários casos, basta ter força de vontade, tenho um amigo cujo pai matou a mãe e se matou, e meu amigo é muma das pessoas mais doces e generosas que conheço, então para mim tentar justificar sua violência dizendo que seu pai era violento é só uma descula bem furada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniele, realmente não justifica o ato, mas contribui. Somos mais parecidos com os nossos pais do se imagina (a psicologia nos diz isso), claro que há exceções, mas ainda é muito pouca. Existe toda uma cultura enraizada. Observe as relações em festas o que os homens discutem e o que as mulheres indagam. Eles falam de futebol, elas ainda falam de um novo lançamento de sabão em pó. A nossa cultura é machista, e de certa forma contribuímos com os nossos discursos omissos. Um beijo bem carinho e obrigado pelo comentário.

      Excluir
  6. Olá!

    Gente, que horror! Por mais que, pra mim, o Natal não signifique nada, essa criança não deveria ter passado por isso! È triste, mas espero que a mulher consiga se livrar desse crápula, mesmo sabendo que é muito difícil de acontecer...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kamila, somos dois. Natal pra mim e nada é a mesma coisa. Mas, finais de anos sempre nos deixa aberto para reflexões, e a que mais me tomou foi: que tipo de gente estamos nos tornando? Abraço.

      Excluir
  7. Que situação horrível. Nunca presenciei algo assim, mas o sofrimento... acho que não sei lidar com isso. Não sei o que fazer...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Michelle, é pavoroso, você não sabe o que fazer, não se deve dizer algo, você fica de mãos atadas. De certa forma ainda se prevalecesse aquele discurso "de em briga de marido e mulher não se deve meter a colher". Torço para que não presencie essa situação nunca. Um beijo.

      Excluir
  8. Oi!!

    Eu nunca passei por isso, nem presenciei. Mas imagino quão difícil deve ser passar por isso.
    O texto tá ótimo!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana, obrigado pelo comentário. Um super beijo. <3

      Excluir
  9. Olá, infelizmente o final do seu relato procede. Isso acontece em vários lugares, todos os dias, o tempo todo e muitas vezes acaba em tragédia. Mudar mentalidade leva tempo, o pior é que estamos atrasados em começar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uauuu, adorei seu comentário. É exatamente isso. Nem parece que estamos no século XXI, o século da tecnologia, o século do liberalismo. A impressão que se tem é que ainda vivemos na primitividade,a grande descoberta é que é céu aberto. Obrigado pelo comentário. Abraço.

      Excluir
  10. Olá, Leandro.

    A realidade de muitas "famílias" é essa, uma mulher que apanha caladas, filhos que não entendem, mas tentam proteger suas mães e homens que ainda se sentem proprietários de das mulheres. O silêncio tem tantos motivos que é difícil de entender, aceitar, se calar.
    A polícia nem sempre é distante e ineficaz, mas quase nunca pode efetivamente fazer alguma coisa. Sobra para nós, os cidadãos comuns, tomar as atitudes, que são quase sempre paliativos.

    #Bel Góes#

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cada vez mais vocês me surpreendem mais, quanta clareza... Obrigado pelo comentário, viu? Nada me deixa tão feliz ao ler algo como descreveu. É isso aí. Cruzemos o dedo para que essa realidade mude, a partir desse instante. Um beijo bem carinhoso e obrigado pelas palavras.

      Excluir
  11. Nossa, imagino o quanto isso deve ter te abalado, em pleno natal, uma epoca tão importante e magica, que deveria se celebrar a familia e a união. É triste e me doi muito ver que isso se repete muito por ai e não podermos fazer nada, eu entendo seu desespero em querer ajudar e nem a policia vir socorrer. Ja passei por situações assim e isso é algo que me doi mtt relembrar, chego a lacrimejar lendo seu relato! Meu desejo é que essa mulher e filhos estejam bem, que esse tipo de situação seja casa vez menos frequente!

    www.memoriasdeumaleitora.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Suzane, obrigado pelo comentário e pela preocupação. Você sabe como é ver algo assim. É horroroso, e o mais engraçado é que isso pode estar acontecendo, agora, na porta ao lado, na esquina perto da sua casa ou da minha. O machismo ganhou tanta proporção que as mulheres, não todas, ainda bem, mas algumas delas aderiram a crueldade como forma de penitência. A religião tem muito a ver com isso quando indagam sobre o "feliz pra sempre" - de uma forma mais convencional. A mídia tem a ver com isso, quando expõe para que todos vejam, mas que pouco ajuda essas mulheres e crianças. Suzane, onde é a porta de saída? Eu quero descer. :(

      Excluir
  12. Olá meu anjo,

    Violência contra a mulher e a velha violência doméstica é uma das agressões mais frequentes nesse país. Do Sul ao Norte há mulheres que apanham diariamente de seus parceiros, estes que juraram amor e proteção á suas mulheres e quebram suas promessas com seus monstros interiores.
    Essa violência é um ciclo vicioso que começa na cultura machista e termina na morte e no medo de mulheres e filhos que muitas vezes sofrem calados com o pavor de serem mais um número para as estatísticas.

    Não podemos fazer nada? Podemos e muito. Destruindo a cultura machista, educando homens e mulheres e demonstrando seus papéis na sociedade, na qual podem ser o que quiserem sem serem vistos como fracos e objetos de prazer de alguém e a propagação de ideias de igualdade entre os gêneros.

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Joanice, depois disso vou dizer o quê? É exatamente isso. Precisamos por um fim nessa cultura machista, precisamos estampar nas revistas que mulheres não precisam lavar cueca de homem nenhum, que também não precisa cozinhar para eles e que elas podem, e devem, sair de casa vestida como quiser, lutemos pela igualdade de gênero, que espero que um dia se consolide de fato. Adorei seu comentário. Adorei tanto que compartilho. Obrigado e volte sempre. Beijos.

      Excluir
  13. Horrível! O pior é saber que nem ligar para a polícia não adiantou... Eu me preocupo diariamente com o futuro que estamos construindo, ´pois somos responsáveis de uma forma ou de outra pela cultura machista que está impregnada na nossa sociedade. A luta para vencer isso é grande e irá se seguir por muitos anos, mas enquanto for ensinado que as meninas tem de ser de x jeito e os meninos de tal modo isso irá prosseguir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amanda, seu comentário é tão oportuno... Deu vontade de sentar num bar, pedir um café, um vinho, e ficar refletindo com você. Mas sabe de uma coisa: só o fato de relatar isso com tanta clareza, acredito que os pauzinhos então se mexendo. As nossas ações tem reações. Cruzemos os dedos e lutemos por um futuro melhor. Obrigado pelo comentário e um super, mega, hiper beijo.

      Excluir
  14. Infelizmente é uma realidade, mas tenho esperança que um dia isso acabe. Eu tinha uma vizinha que tinha a família "perfeita" (para alguns), marido, um filho e estava grávida. Mas era só o marido beber batia nela. Isto estava me incomodando tanto que cheguei em cogitar a ligar para polícia, mas antes que eu fizesse, chegaram uns vizinhos e a ajudaram.Só sei que eles foram embora, e espero que separados para a segurança dela e dos filhos. Ótimo texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana, também tenho esperança que isso acabe. Espero que acabe, pois é muito triste para a mulher, mais ainda para uma criança que não tem culpa de nada. Muito triste seu relato, o relato da sua vizinha passa-se a ser nosso também. Um beijo. <3

      Excluir

Deixe-nos sua opinião sobre esta postagem.